Veja o que temos para você

Ivana Maria Maciel Rocha - CRP 04/ 18.843

“Escrever é emprestar as mãos à nossa alma para que ela possa falar”

O uso e a presença constante da escrita nos últimos 50 mil anos de história do homem demonstram o extraordinário poder comunicativo deste meio. É histórico tudo aquilo que acontece depois que o homem começou a trocar informações e a deixar documentos redigidos, tornando a escrita fundamental na releitura da cultura humana.

Além da possibilidade de transmissão de conhecimentos, escrever proporciona outros benefícios: do ponto de vista físico, pesquisas evidenciaram uma maior eficácia do sistema imunológico; do ponto de vista psicológico, escrever dá ao homem a ilusão benéfica de poder deixar um sinal e de fazer com que os próprios pensamentos lhe sobrevivam.

Com o advento da internet, caneta e papel foram deixados de lado e substituídos pelo teclado e o mouse, mas, nem por isso, o ato de escrever, em si, foi modificado. Ao contrário, tornou mais rápida e fácil a comunicação, mesmo entre sujeitos até então desconhecidos. O encurtamento das distâncias minimizou a solidão de pessoas que, na maioria das vezes, não tinham com quem conversar. Escrever mudou-lhes o humor, deu-lhes a sensação de pertencimento a um grupo e colaborou para o aumento de sua autoestima. Amizades tornaram-se sólidas e a existência passou a ser mais significativa à simples visão de uma caixa postal recheada de e-mails e à inserção nas redes sociais.

Como técnica terapêutica, estudos realizados na década de 90 em universidades americanas, já haviam demonstrado que o escrever, com sua estrutura seqüencial e circular, proporciona uma reconstrução coerente da própria história e das emoções ligadas a possíveis eventos traumáticos.

Nesse contexto de ajuda surge o atendimento psicológico on line, disponibilizado principalmente em casos de dificuldade de comparecimento presencial. Orientado por profissional habilitado, verifica-se que o escrever possibilita o emergir de lembranças e emoções, por vezes desagradáveis, mas que, através de uma condução adequada, podem ser entendidas e superadas. Ter um profissional à disposição, capaz de "escutar" o que as palavras escritas dizem e devolvê-las clarificadas, provoca pontos de reflexão no cliente e o ajuda a organizar seus pensamentos; coopera para tornar mais claros os seus desejos e necessidades e a subseqüente tomada de decisões, isso mesmo quando escritor e leitor estão separados por uma distância espaço-temporal.

Objetivo

Oferecer orientação e aconselhamento psicológicos através do computador, embasados em técnicas da psicologia e com a finalidade de colaborar para o máximo bem estar pessoal. A orientação difere da psicoterapia, uma vez que, por ser bem focada e objetiva, ajuda na clarificação da questão em um tempo cronológico menor, auxiliando o cliente a desenvolver seus recursos pessoais e a tomar as próprias decisões.

A quem se destina

Às pessoas:

  1. Com queixas de ansiedade, depressão, baixa autoestima, fobias (medos), obesidade, stress, luto e dificuldades nas relações interpessoais (sociais, familiares, afetivas, profissionais, etc);
  2. Que usam a língua portuguesa para exprimir-se.

Vantagens

  • Menor investimento financeiro: favorece um maior acesso às orientações e aconselhamentos oferecidos por um profissional, às pessoas que vivem momentos de sofrimentos psíquicos e/ou emocionais;
  • Melhor aproveitamento do tempo: não se perdem preciosos minutos com o tráfego, estacionamentos, etc;
  • Uso do ambiente familiar e preservação do anonimato: diminuem algumas inibições, possibilitando uma maior rapidez no desenvolvimento do processo focal e de seus resultados;
  • Obtenção de orientação ou aconselhamento psicológicos quando a consulta presencial é dificultada ou  impossível: como por exemplo, em casos de  portadores de necessidades especiais (surdez), internações hospitalares, dificuldade de deslocamento (paraplégicos, idosos),  inexistência de psicólogos (cidades pequenas) ou  moradia em outros países;
  • Facilidade atual de acesso aos computadores (wi-fi, laptops): permite a conexão a partir de, praticamente, qualquer parte do globo terrestre.
  • Havendo necessidade ou interesse em se compreender minuciosamente suas questões psicoemocionais, o cliente poderá buscar atendimento clínico presencial com um profissional da área.

Sobre a Autora

 

Olá! Sou Ivana Rocha, psicóloga responsável por esse site. Moro em Belo Horizonte e trabalho para o mundo, já que a internet encurta distâncias e facilita o atendimento de pessoas que, antes do advento da web, não tinham acesso a atendimento psicológico. Nesse espaço você vai encontrar textos escritos por mim e vídeos que posto no Youtube, visando estimular reflexões a respeito do cotidiano de todos nós. Também vai saber um pouco mais a respeito do meu trabalho, que desenvolvo através da orientação psicológica e de cursos via internet e de palestras e oficinas presenciais. Minha missão é essa: divulgar minha mensagem a um número cada vez maior de pessoas, para que elas possam ser replicadoras dentro do seu próprio universo e, com isso, criarmos uma corrente do bem. Navegue à vontade. A casa é sua!

* Psicóloga graduada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG);
* Curso de extensão: Psicologia e Internet – Serviços Psicológicos Mediados pelo Computador (PUCSP – COGEAE);
* Formação em Psicoterapia Breve Estratégica e Sistêmica (Abrangente – centro Mineiro de Terapia Breve);
* Formação em Constelações Familiares Individuais no Trabalho Com Bonecos
* Especialista em Teoria Psicanalítica pela UFMG;
*Psicóloga clínica, atendendo via internet, desde 2010 (site credenciado pelo CFP)
* Servidora da Gerência de Saúde do Trabalho do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) desde 1990;
* Psicóloga do Programa “Viva Bem – Mudando sua Postura de Vida” do TMJG (atualmente);
* Coordenadora, junto à equipe multidisciplinar, do “Programa de Reeducação Alimentar” do TMJG (2000 a 2005);
* Enfermeira graduada pela Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (Itajubá – MG);
* Fundadora da clínica “Doce Deleite – orientação e acompanhamento do aleitamento materno” (1990 a 1995).